Se7e Malas

 

Somos amigas do tempo da onça que, apesar das diferenças, em comum cultivamos o interesse por desbravar qualquer canto do mundo. De Santos à Rússia, de Corumbau a Veneza, do Vietnã à Patagônia.

Somos como uma família. Ficamos com o coração apertado quando alguém da turma vai passar um tempo longe. Vamos visitar de mala e cuia aquelas que resolvem morar em algum lugar distante. Vibramos com cada detalhe das histórias contadas depois de qualquer retorno.

Foi durante uma das costumeiras (e deliciosas) pizzas de domingo – enquanto planejávamos a próxima viagem que faríamos juntas – que a ideia do site surgiu.

Surgiu como um motivo pra dividir com mais gente nossas dicas e impressões. E também como uma desculpa pra nos encontrarmos ainda mais, rirmos juntas ainda mais, e – por que não – viajarmos mais e mais.

Aí vamos nós!

Baboous, Cacá, Carol, Fê, Ninha e Pepê


Cacá Palenga

“Assim que a rodinha do avião encosta no chão, me vem à cabeça o mapa-múndi. No trajeto do táxi até porta de casa, já tenho pelo menos 5 destinos diferentes e então percebo que não tem mais volta… toca acumular milhas tudo de novo…”
Leia mais

Carol Saraiva

“Publicitária por formação, mas viajante por adoração. Tenho 33 anos e há pelo menos 20 tento aproveitar toda brecha que tenho para fazer minha mala e sair andando por aí.”
Leia mais

Fê Annenberg

“Minha mãe sempre dizia: “Se não comer de tudo, não vai poder viajar pelo mundo!” 
E dá-lhe caruru, kibe cru, gefilte fish, galinha de cabidela. Tudo desde criança. 
Meu pai, de outro lado: “Quero filhos poliglotas, que se virem bem nos quatro cantos do mundo.”
 E bora pras aulas de inglês, francês, espanhol.”
Leia mais

Mari Barbosa

“Salve! De nascença sou Mariana Barbosa, mas de alcunhas já são tantas, que quase-quase que já sou mais de uma. Tudo começou com Maná, que passou para Má, Mari, Quatro-olhos, Babosa, Baboous, Barba, MOB, Barbotinha, Malota, Maricota, Cabeça, Barbita, Marianita du Brasil e Marimar.”
Leia mais

Ni Nogueira

“Tenho um bisavô e uma bisavó que vieram da Itália, bem pequenininhos. Aqui no Brasil conheceram seus respectivos pares, descendentes de portugueses. Minha mãe é mineira, mas como o meu avô era chefe de estação de trem, morou em várias cidades do interior de São Paulo e Minas Gerais.”
Leia mais

Pepê Maaz

“Sou Patricia de batismo, mas minha real identidade mesmo é Pepê, meu apelido desde um ano de idade.
 Segundo minha avó, nasci com rodinhas nos pés.”
Leia mais